NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE OS SALÁRIOS DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS MUNICIPAIS. Leia aqui.

Dos primórdios à emancipação

História do Município

O final do século XIX (1880/1890) e início deste caracterizou-se por serem tempos extremamente difíceis. Como se não bastassem as dificuldades impostas pelos poucos recursos, de comunicação e transportes, por exemplo, o interior paulista era tomado por muitas epidemias. Estes surtos obrigavam comunidades de vilarejos inteiros migrarem em busca de terras férteis e seguras, longe dos males que vitimavam, às vezes, toda uma família.

Carroça transportando água
Fig. 1 - Carroça transportando água para os colonos.
Foi neste cenário que, impelidos pela necessidade de sobrevivência, um destemido grupo de homens, liderados por figuras como Inocêncio de Assis, João Cearense, Manoel Correia e João Pereira, em incansável atividade com suas foices, e machados, desbravou mata afora até que, após dias e noites de muitas adversidades, rigor e cansaço dentro de uma região selvagem, chegou a uma visível riqueza natural, de terra inigualável. Foi neste momento que um dos pioneiros que aqui chegaram, vendo tamanho esforço ser recompensado pela descoberta de uma espécie de oásis, desabafou um alto brado: Êta mundo novo! Assim originava-se o nome do lugar que somente mais tarde, na década de 1940, ganharia o nome de Urupês.

Virgílio Gerônimo
Fig. 2 - Virgílio D. Gerônimo, um dos primeiros colonos de Urupês.
Antes da alteração do nome pelo qual todos nós conhecemos o município, episódios importantes aconteceram e hoje fazem parte da história de um povo lutador. Ainda em 1913, por exemplo, rumaram para cá, motivados pela informação de boas terras para cultivo, Domingos Logulo, João da Lata, Francisco Moreira de Freitas, Orestes da Silva Rosa, Francisco Caetano de Souza, João Lisboa, Joaquim Mateus Neves, José Quaresma, Joaquim Gonçalves, Antonio e Virgílio Domingos Gerônimo, todos acompanhados de suas famílias, com o intuito de plantar café.

A pujança desses primeiros habitantes fez com que, em 1914, fosse celebrada a primeira missa por um jesuíta pertencente ao bispado de São Carlos. Nascia São Lourenço do Mundo Novo, cujo nome se deu de uma associação de idéias que refletia uma homenagem ao então falecido Lourenço Cardoso e o louvor ao santo de mesmo nome, do qual os fundadores eram devotos.

O passo para se tornar um lugar independente, inclusive livre de uma subordinação política a Itajobi, foi uma questão de tempo. Já em 1923, Mundo Novo era famoso por suas densas plantações de café. O produto de qualidade e sabor insuperáveis,como atestara o Instituto Agronômico de Campinas, alcançou o maior valor no mercado nacional.

Finalmente, em 24 de setembro de 1928, através da lei estadual 2286, Mundo Novo se tornou município autônomo, emancipado política e administrativamente. A população, naquela data, foi pega de surpresa pela notícia e, segundo relatos históricos, não demorou para que invadisse a praça para festejar ao som da banda municipal, de moda de viola e com dança de catira. Vale ressaltar que Urupês, que por vezes é confundida com a obra homônima de Monteiro Lobato, de próximo conta apenas com o nome.

Evandro Carlos Olante - em Folha da Região de Urupês


© Copyright 2017 - Prefeitura Municipal de Urupês.
Rua Gustavo Martins Cerqueira, 463 - Centro, Urupês/SP